Hoje é 17 de maio, um dia especial. Para uma comunidade inteira.

Nesse dia, 17 de maio de 1990, a Organização Mundial de Saúde retirou de sua classificação de doenças a homossexualidade. Desde então, essa data é muito importante para as marchas de orgulho LGBT e na luta pela igualdade. Ao mesmo tempo que demonstra que há apenas 26 anos as pessoas LGBT não são doentes e que não há nada de errado com o afeto e o amor delas.

E isso é para celebrar. Mesmo quando o momento do Brasil não ajuda para que seja celebrada essa data, ela ainda sim merece ser lembrada. E merece, com muito orgulho, ser utilizada para combater a agenda conservadora e religiosa que se impõe sobre a política brasileira. E sobre o atual governo interino ou de transição que vivemos.

Apesar de estar fora do rol de doenças, a homossexualidade ainda está no rol de preconceitos. A homofobia é um problema sério e grave. E, sobretudo, quando é reforçada por uma campanha religiosa de falso moralismo feita pelas igrejas evangélicas. Aqui no Brasil e lá fora também.

Apesar de todos os retrocessos, celebrar esse momento mostrará a nossa força em mudar o mundo. É quando estamos incomodados a fazer isso por vários reveses que nos animamos em lutar mais. Celebrar o dia 17 de maio nesse momento é uma dádiva.

Ainda mais quando está inserido nas lutas pela retomada da democracia. Nos tiraram ela a força. Mas ela voltará para nossas mãos.

E para celebrar o momento, eu deixo esse vídeo de Eli Lieb. Vale a pena demais ouvir as músicas dele.


Para combater o preconceito, foi criado o International Day Against Homophobia, Transphobia e biphobia. Há 12 anos que essa data está no calendário mundial. E no Brasil, há 9 anos. Dá uma passada no site deles e saiba um pouco mais sobre as ações realizadas por eles. Vale muito a pena.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta