2017 chegando e nada mudando

01 01 2015-Queima de fogos no Reveillon em Copacabana- foto Fernando Maia Rio Tur

Não sei se é o clima depressivo que a gente vive, mas não consigo ainda enxergar melhoria em 2017.

O clima no Brasil de 2016 é realmente muitíssimo estranho. Nós sabemos o que aconteceu. Mas não saberemos onde vai dar. Podemos enumerar várias razões do por que 2017 não vai melhorar, mas acredito que a principal razão para essa sensação é outra: os escândalos atuais não vão passar em 2017.

Pelo contrário: eles vão se intensificar. Até demais. Na política, teremos muito mais reviravoltas, especialmente no plano federal. Os protestos contra as medidas de Temer, que são altamente impopulares. Independente de serem necessárias ou não, elas estão muito mal explicadas.

Por outro lado, já não podemos também nos dar ao luxo de planejarmos alguma coisa em todo esse cenário de indefinição. No Brasil, nós dependemos muito das políticas econômicas que são definidas pelo poder executivo. E essas políticas atuais não tem sido favoráveis.

Essas politicas atuais tem sido de um grande desfavorecimento de todos nós. A equação do governo considera cenários ideais. Não tem considerado os acidentes de percurso. Não tem considerado que as coisas e as circunstâncias mudam conforme o tempo.

2017 não promete ser um ano realmente novo. Promete ser a continuidade do atual. E o aprofundamento de todos os problemas já previstos por especialistas em economia e em política. As delações da Odebrecht e de Eduardo Cunha irão criar um clima de instabilidade ainda pior do que o que nós temos visto até agora.

Não é uma questão de ser negativo. O clima atual é depressivo. Sabemos bem disso, basta abrirmos qualquer jornal ou ligarmos a televisão. A impressão que temos é que o país desmorona sobre suas estruturas, implodindo com tudo o que vemos pela frente.

As instituições já provaram que precisam mudar urgentemente. Estamos chegando perto daquele ponto onde não podemos mais esperar. A própria situação nos compele a agir. Espero que possamos agir corretamente e colocar o país de volta aos trilhos. Mas isso não vai ser em 2017. Pelo menos, não no começo dele.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta