Adele levou todos os principais prêmios no Grammy mas foi no final que ela surpreendeu a todos.

Adele é uma das cantoras pop que se especializou em músicas mais tristes ou sobre términos. Boa parte das músicas dela tem essa pegada. Mesmo quando as músicas tem um tempo mais alegre. E isso deu sucesso a ela com “Rolling in the deep”, “Someone like you” e, recentemente, “Hello”.

Adele é uma daquelas cantoras que foge dos padrões do mercado e é, por isso, apreciada. Sua excepcionalidade é sua maior qualidade. E a humildade dela é o que nos conquista e nos faz ouvir o que ela escreve. E no Grammy desse ano, ela levou os principais prêmios, incluindo o de álbum do ano.

A Imprensa, no entanto, aparentemente alimentou uma rixa entre Adele e Beyoncé, especialmente por ambas concorrerem nas mesmas categorias, incluindo Álbum do ano por Lemonade. E ela era uma das favoritas para levar essa premiação. Mas os juízes do Grammy preferiram Adele por 25.

E quando todos pensavam que haveriam indiretas de uma a outra, Adele sobe ao palco e espalha amor. Adele tinha tudo para ser artista arrogante por todas as conquistas espetaculares que ela obteve em uma carreira relativamente nova. Mas não é assim que Adele é. Ela é o melhor que a música tem. E o melhor exemplo que deveríamos seguir.

Mesmo quando a gente erra. Como ela errou. Em uma apresentação, ela errou em uma nota. Não conseguiu cantar. Pediu para começar outra vez. Até os melhores erram e a gente precisa aprender que errar não é nenhum demérito. E começar outra vez, igualmente.

Adele

Adele quebra o troféu para dividi-lo com Beyoncé

E foi por admiração que Adele surpreendeu a todos.

E ainda sim, quando ela ganhou o Álbum do ano, suas palavras foram os melhores exemplos de admiração mútua que a gente devia cultivar por outras pessoas que nós admiramos. Admirar alguém, mesmo que aparentemente seja seu concorrente, não diminui ninguém ou o coloca em posição de desvantagem.

E as palavras de Adele foram o melhor exemplo desse respeito e admiração mútuos:

Não sinto que deveria aceitar esse prêmio. Eu estou lisonjeada e muito grata, mas a minha vida é a Beyoncé, e, para mim, o álbum ‘Lemonade’ foi monumental e muito bem pensado. Ele é lindo e emocionante, e nós pudemos ver um outro lado seu que você nem sempre mostra, e gostamos muito disso. E todos nós, artistas, te amamos. Você é a nossa luz. E o sentimentos que você desperta em mim e em meus amigos, e a força que você dá aos meus amigos negros é tão poderosa que dá a eles a coragem de lutarem. E eu te amo. E sempre amei. E sempre vou amar.

Adele quebrou o troféu e o deu para Beyoncé em uma forma simbólica de admiração e respeito. Foi a melhor cena da noite. E ficou para sempre nos nossos corações. Que a imprensa aprenda também a não estimular rixas ou brigas desnecessárias entre artistas. Há lugar e espaço pra todos na música.

E é a diversidade musical que faz dela um dos produtos mais consumidos no mercado. Especialmente pelos jovens. E o público gay, que as elevam como divas, rainhas absolutas e lacradoras.

 

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta