canais de tv aberta

Canais de TV aberta querem cobrar o que é gratuito e se arriscam a perder espaço pra internet

Canais de TV aberta querem cortar o sinal delas das operadoras de TV paga. E erram em pensar assim.

Os canais de TV aberta já foram de melhor qualidade em sua programação. Mesmo que tivessem alguma coisa ruim, no geral, era mais tolerável. Hoje, no entanto, nem tanto. Esses mesmos canais de TV aberta agora acreditam que poderão cobrar para que você os assista.

Isso por que a nova lei que regula esse mercado de telecomunicações não obriga nenhuma das operadoras e nem das emissoras de carregarem seus sinais digitais dentro da programação das televisões por assinaturas. Essa obrigação vai caindo paulatinamente assim que o sinal analógico for desligado.

A Record, SBT e RedeTV recentemente criaram uma empresa que se coloca no mercado como uma programadora de canais de TV por assinatura. Essa empresa, a Simba, quer cobrar das operadoras para que elas carreguem o sinal gratuito que já é aberto. E o principal argumento é de que a Globo faz o mesmo.

Canais de TV aberta são concessões públicas.

A Globo, no entanto, ainda é acionista de operadoras de TV por assinatura. Especialmente a Net e a Sky, ambas, trazidas ao Brasil por ela no começo dos anos 1990. A NET, por sinal, foi uma das responsáveis pela enorme crise que a Globo viveu no final dos anos 90 e ao longo de toda a década de 2000.

Todavia, hoje, os demais canais de TV aberta cobrarem pelo que já é gratuito e obrigação deles não faz sentido em um mundo digital. Primeiro, por que o sinal de TV aberta digital já é gratuito e amplamente disponível. Cobrar por ele é apenas querer conseguir aquilo que a publicidade não paga.

Justamente por ser um sinal amplamente disponível, assim que os canais de TV aberta tirarem seus sinais das TVs paga, descobrirão que elas não precisam deles. Mas os canais abertos precisarão muito mais das operadoras do que eles acreditam.

Seria mais fácil a Simba produzir canais de TV por assinatura com conteúdo diferente e cobrarem por eles. Aí sim, você poderia ter acesso maior a diversidade. Mas diversidade é um problema por aqui.

 

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta