A Cortina de Ferro foi o nome dado ao muro de Berlin que foi construído para separar a Alemanha.

O muro do Trump -como ele tem sido chamado pelo México – é uma horrível lembrança de um dos piores momentos da história recente. Ele lembra a cortina de ferro, o  muro construído em Berlin para separar a Alemanha oriental do ocidente. E dividir o mundo entre capitalismo e socialismo.

O muro de Berlin ganhou essa denominação também pela constante vigilância que ele tinha nas fronteiras. Por quase 30 anos, esse muro foi o maior símbolo da guerra fria e da divisão do mundo em 2 partes. Foi um dos maiores conflitos políticos e diplomáticos do Século XX. E as lições dele parece que ainda não aprendemos.

E quase 30 anos depois, após vencer a eleição, Donald Trump agora pretende reviver os momentos de rivalidade. A diferença é que ele não quer fazer isso por um motivo que realmente valesse a pena. Ele implicou com o México e insiste em fazer o muro na divisão com o país.

cortina de ferro

This image was taken in 1986 by Thierry Noir at Bethaniendamm in Berlin-Kreuzberg.

Muro de Trump quer dividir o mundo entre pobres e ricos.

Trump reforça uma série de preconceitos que latino-americanos enfrentam, mesmo quando eles já vivem ali legalizados. E construir um muro, uma divisão que será muito mais simbólica do que física ao dizer que de um lado do muro está um mundo de pobreza e subdesenvolvido.

E do outro, o mundo de maravilhas de um mundo desenvolvido. Mais ou menos como aconteceu durante a guerra fria. E isso em pleno século XXI, o que achamos em que veríamos uma evolução maior da consciência de sociedade e de irmandade entre as nações.

E é óbvio que isso já criou uma enorme crise diplomática e política e reações contrárias a essa posição do atual presidente dos Estados Unidos. O que ele deixa claro nessa atitude dele é que ele pouco ou nada se importa com os efeitos disso. Mesmo que um desses efeitos represente a diminuição do poder de influência americano.

E isso está apenas começando. Se for nesse ritmo, em 2020, teremos uma enorme, significativa e substancial mudança de potências e influência pelo mundo. E tudo agora aponta para a China. Trump, que acusou a China de criar factóides, é o que mais está ajudando a China a ser a maior potência mundial em alguns anos.

 

 

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta