Os evangélicos começaram a desonestidade intelectual que lhes é peculiar e deturpar os dados de pesquisa DataFolha

Sim, a desonestidade intelectual é um nome bonito para enganação. Só que com alguma sofisticação. Usamos essa expressão para falar sobre a forma como algumas pessoas ou organizações deturpam dados de modo a arrumarem um argumento para sustentarem seus pontos de visto.

O errado, contudo, é quando um dado é feito de maneira a enganar as pessoas para fazer você acreditar em uma mentira. E, se eu bem lembro, mentir é uma prática bem condenável na Bíblia. Mas a desonestidade intelectual de alguns pastores alcança até a interpretação da bíblia.

desonestidade intelectual

Desonestidade intelectual é uma das características do discurso evangélico

A pesquisa DataFolha apontou que o crescimento dos evangélicos pentecostais passou de 18% em 2010 para 22% em 2016. Os pentecostais são os mais barulhentos e que ocupam a maior parte da bancada evangélica no congresso. São eles, aliás, que são influenciados pela pregação de ódio de Malafaia e companhia.

A própria pesquisa indicou que os evangélicos não-pentecostais – ou também conhecidos como históricos ou tradicionais – passaram de 6% em 2010 para 7% em 2016. Um crescimento, portanto, irrisório. Nessa categoria estão os evangélicos ou protestantes que não seguem ou acreditam na teologia de malafaias e companhia.

Esses, por sinal, não são considerados evangélicos pelos pentecostais. E muitos deles sequer gostam de se identificar como evangélicos devido a conotação negativa que essa palavra ganhou nos últimos anos. Sobretudo quando vemos pastores ou líderes evangélicos altamente enrolados em esquemas de corrupção.

A desonestidade intelectual engana você a pensar que eles não estão envolvidos em escândalos. É só mais uma das mentiras.

Sobretudo os esquemas ligados a deputados que estão sendo investigados pela Operação Lava Jato e outras, como vimos, recentemente, chegar a Malafaia. E aí é que mora a desonestidade intelectual deles. Para dizer que já alcançam 29% da população, somam os dados. Desonestidade intelectual, como dito.

Esse é o perfil de pessoas que querem dominar o Brasil e transformá-lo em uma extensão de suas igrejas, criar leis que interfiram em nossas liberdades individuais e fazer do Estado Brasileiro uma grande igreja influenciada por um conselho de pastores.

São esses os que querem dizer o que você pode comer, vestir e amar. São esses que querem o poder de impedir você ter domínio sobre o seu próprio corpo. São esses que não querem que você seja um indivíduo autônomo e pense por você mesmo.

São esses que dizem seguir Jesus mas odeiam exatamente tudo aquilo que ele próprio viveu e pregou como a própria bíblia relata. São esses que ensinam que você não precisa amar o seu semelhante. São esses que substituem o amor pelo ódio e que basta pagar para estar no céu.

A desonestidade intelectual deles é a maior prova de que eles mesmos falharam. Querem o poder. E estão sendo chutados dele aos poucos. E se as coisas caminharem bem, a própria realidade vai mostrar-lhes o caminho de saída. E isso não vai demorar.

E por falar nessa desonestidade intelectual, vejam esse vídeo do Porta dos Fundos exatamente sobre isso:

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta