Snapchat

Snapchat, a briga com o Facebook é de longa data

Facebook tentou comprar o Snapchat em 2013 e, desde então, a rede social tem copiado recursos do concorrente.

O Facebook realmente não gostou de levar um não. Na verdade, parece que Mark Zuckerberg não gostou nem um pouco de não poder ter tido o Snapchat em seu rol de aplicativos. Desde 2011, por exemplo, o Facebook tem adquirido vários de seus concorrentes, Mesmo que eles não sejam integrados.

Isso começou em 2012 quando vimos o Facebook saiu às compras e, com isso, veio a compra do Instagram. Depois, veio o Whatsapp. A próxima da lista seria o Snapchat. Pelo Snap, a rede social ofereceu US$ 3 bilhões. As compras do Instagram e do Whatsapp foram na cifra dos bilhões, mas ainda foram menores que a oferta pelo Snap.

Mas o Facebook aparentemente não gostou de levar um não do Snapchat. Ao mesmo tempo que o Snap começou a ter um aumento em sua popularidade, o Facebook começou a inserir várias funções do Snap em seus próprios aplicativos próprios. Isso começou com o Instagram e o Facebook com o Messenger e o Flash.

Isso começou a ser feito em 2015. No auge da popularidade do Snapchat, o próprio Facebook começou o ataque. Lançou os recursos de máscaras, efeitos, vídeos de 10 a 45 segundos, mensagens, etc. Cada vez mais o Facebook agiu para esvaziar o Snapchat e a popularidade dele.

Isso tem surtido efeito no objetivo de esvaziar. Ao incorporar recursos de seu concorrente em seu próprio ecosistema, o Facebook trouxe de volta para si os usuários que havia perdido para o aplicativo conhecido pelas suas montagens e nudes trocadas entre as pessoas.

Sim, o Snapchat em si até hoje não tem um objetivo concreto. Ele é um programa feito para usos rápidos, mas ficou conhecido pelo uso bem peculiar que seus usuários lhe deram até recentemente. E, mais ainda, como o próprio Facebook está estimulando isso em seu ecossistema.

E isso é tão claro que, hoje, esses recursos chegaram ao aplicativo mais apreciado pelos brasileiros, o Whatsapp. E só se falou disso no dia todo.

E isso tudo às vésperas do próprio Snapchat iniciar seu IPO. Mark Zuckerberg não gosta mesmo de levar um não.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta