A Garota Dinamarquesa é um filme bastante delicado. Não apenas pelo cuidado na produção, mas pelo tema que retrata.

Não pretendo fazer uma crítica de A Garota Dinamarquesa. É bem verdade que eu não vi esse filme no começo de 2016, mas ele estreou no sábado passado na TV por assinatura. E eu fui ver. E confesso que precisei ver várias vezes para ver coisas que nem todos viram ainda. É um filme muito delicado. E cheio de nuances.

A história de A Garota Dinamarquesa é inspirada nas vidas de Einar e Gerda Wegener, um casal de artistas dinamarqueses no começo do século XX. Na falta de uma modelo posar para um de seus quadros, Gerda pede ao marido que vista as meias e os sapatos e o vestido para que ela pudesse terminar o retrato.

A Garota Dinamarquesa

Cena de A Garota Dinamarquesa. Einar posando para Gerda

A partir daí um mundo de questionamentos começa para Einar. Ele começa a deixar sua arte de lado, aos poucos, até para ajudar a esposa nas obras dela. Durante a sessão de pintura, uma das modelos de Gerda aparece no ateliê e diz que ele ficava muito bem naquela roupa e a chama de Lili.

O grande trunfo desse filme – onde ele foi muito criticado, por sinal – é justamente o fato dele ter sido feito com um ator cisgênero interpretando uma personagem trans. É verdade que esse papel poderia ter sido feito por uma atriz trans. Mas a história do filme não é apenas sobre a transformação de Einar em Lili. Mas os questionamentos de Einar e Gerda.

Ao longo do filme, Einar sofre em lidar com a persona que ele carregava dentro de si, Lili. Em várias cenas, por exemplo, vemos Lili flertando com outros homens. E em um encontro com um deles, é chamada de Einar. Esses questionamentos são uma parte importante da própria história.

Einar foi considerado doente e pervertido. O que era o padrão da época em que eles viveram. Apenas um médico entendeu qual era, de fato, o verdadeiro desejo de Einar e o que precisava ser feito pra resolver essa questão. E aí é que, de fato, Lili passa a dominar o filme.

Lili passa a dominar

Até a transformação completa de Einar em Lili, ele ainda era casado com Gerda. E o filme aponta que a relação entre os dois era muito forte, bem mais do que apenas marido e mulher. Até por que eles já não eram isso. Gerda precisou passar por todo o entendimento para entender que Einar já não existia mais. Agora era Lili.

Garota Dinamarquesa

Lili passa a dominar

Lili fez todo o processo de transformação na parte final do filme. Ela passa a dominar a cena e o ator, Eddie Redmayne, fez um trabalho maravilhoso em interpretar Einar e todos os questionamentos que o levaram a desenvolver e deixar Lili aparecer.

A Garota Dinamarquesa não é o primeiro filme famoso e mainstream a tratar sobre o tema da transsexualidade. Ele é o mais representativo por ser um filme baseado livremente nas vidas reais de Gerda, Einar e Lili. O livro que o inspirou é um romance, não é uma biografia de Lili. É a imaginação daquilo que poderia ter sido.

A verdadeira Lili Elbe morreu pouco tempo depois de sua última cirurgia de readequação sexual, após ter um útero transplantado em seu abdômen como parte de sua transformação final em mulher. Na época não havia conhecimento e pesquisas sobre rejeição de órgãos transplantados.

Outros filmes mainstream já trataram de temas parecidos

Além de A Garota Dinamarquesa tivemos outro filme famoso nos anos 80, que também teve um ator cisgênero interpretando uma mulher. Mas, nesse caso, era um filme de humor. Tootsie, de 1982. É um filme que retrata com humor a questão. É um filme divertido. Mas a disponibilidade dele atual é bem limitada.

Agora se você ainda não viu A Garota Dinamarquesa, eu sugiro que você veja com outros olhos. Não pense no filme como algo que procura desvalorizar atores trans. É óbvio que um ator trans saberia fazer esse filme. Mas o maior desafio de um ator é interpretar algo que seja completamente diferente dele.

E esse processo sendo mostrado na tela é uma das coisas que devemos apreciar. A Garota Dinamarquesa é sensível. E bem delicado. Em todas as suas nuances. Assista e perceba isso. Você vai ver o quanto vai mudar o seu entendimento sobre o próprio filme.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta