Os liberais de gabinete do Brasil atacam outra vez: querem que o Estado resolva um problema empresarial privado.

Uma das característica do liberalismo é que a interferência do Estado seja mínima. Tanto na economia quanto nas questões sociais. É um conceito difícil de entender. Seja você de direita ou de esquerda. Mas, em resumo, é um conceito onde a interferência estatal é a mínima possível. Mas os liberais de gabinete subvertem isso.

Os nossos liberais de gabinete não são, na verdade, empresários ou originados de escolas ou investimentos empresariais. Aliás, muito poucos o são. E eles quase não tem interferência na formulação de algumas políticas econômicas atuais seguidas pelo Brasil.

Mas vamos entender como funcionam os liberais de gabinete: eles querem um estado mínimo possível na economia, mas uma interferência máxima na vida social. É, por sinal, aí onde se encaixam vários políticos da bancada evangélica que sequer entendem de economia. Mas fazem o papel de controle da vida social.

liberais de gabinete

Uma empresa de telefonia vai à falência e os liberais de gabinete querem salvá-la

A crise da Oi tem deixado claro como é comum que vários conceitos sejam subvertidos ou desvirtuados no Brasil para atender interesses de quem esteja no poder. As justificativas retóricas são as mais mirabolantes possíveis. E a cada anúncio sobre projetos do governo deixam claro uma coisa: nada para nos beneficiar.

Liberais de gabinete não tem nenhuma lógica crível. Apenas a que prejudica você.

Mas não há nenhuma lógica, inclusive empresarial, que justifique o Estado interferir e salvar uma empresa privada em processo de falência ao qual chegou lá por incompetência própria. A crise da Oi não surgiu por acaso. Ela vem de um histórico de maus investimentos.

Os liberais de gabinete querem dar 100 bilhões de reais de patrimônio público para uma empresa cuja capacidade

administrativa está absolutamente provada. Se liberais fossem, deixariam a própria Oi se virar e arrumar uma solução para seus problemas.

Na falta dessa solução, a própria falência.  A Oi ainda é a única operadora em várias cidades do interior. Todavia, ao invés de dar esses bilhões para uma empresa privada, seria mais fácil retomá-la ao estado e redividí-la. Não faz a menor lógica dar esse patrimônio para uma empresas que já provaram que não saberão administrá-lo.

Os nossos liberais de gabinete se preocupam demais com empresas privadas mas não fazem nada para quem sustenta o próprio lucro delas. Pelo contrário. Autoriza reajustes abusivos que, ao invés de promover o crescimento das próprias empresas, vai apenas prejudicar ainda mais o próprio mercado em crise.

Os liberais de gabinete que não tem nenhuma experiência em empreendedorismo querem apenas punir você. E tirar muito do que você já conquistou. Esses liberais de gabinete estão conseguindo uma parte desse objetivo. Mas cabe a nós evitar que esse objetivo seja atingido por completo.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta