Google está desenvolvendo uma nova forma de manter atualizados os aparelhos Android. Sem depender demais das fabricantes.

Não vou negar que eu sempre fui um entusiasta da plataforma do Google e pela facilidade com que eu posso manter meus dados sincronizados entre o telefone e o computador. Gosto de usar mais o computador pela facilidade dele. Mas, obviamente, o telefone é indispensável. E manter os dois sincronizados é algo que o Google sabe fazer bem. Mas tem algo que o Google tem errado muito: manter o Android atualizado. Até agora, pelo menos.

Há anos que o Google sabe que esse é o maior problema do Android. É um dos maiores responsável pela imagem ruim que o Android tinha no começo. Quem teve um aparelho Android entre 2009 e 2014 sabe que a maioria deles já vinha limitado por padrão pelas fabricantes com recursos altamente limitados. Eram aparelhos apenas OK. Serviam para algo mais básico mas não serviam para uso mais complexo.

O Android começou a mudar a imagem quando o próprio Google iniciou um ostensivo processo de

Android

Google agora quer padronizar atualizações

padronização do design dos aparelhos e especificações, oferecendo um pacote básico bem melhor que o oferecido anteriormente pelas operadoras sem nenhuma padronização. Até 2014 era comum a gente ver na lojas telefones com o sistema do Google altamente básicos. E os melhores, os top de linha, eram os modelos mais caros.

Esse processo de mudança da imagem do Google começou quando eles compraram a Motorola Mobility. Com a Motorola em mãos, o Google estipulou como um telefone deveria ser. Com isso vieram 3 modelos que serviram de exemplo para os demais fabricantes e reabilitaram a imagem do Android. Com os Motos E, G e X, o Google estipulou 3 categorias de telefones e os requisitos mínimos pra cada um.

Com isso, vimos o Android Kit Kat explodir, O Lollipop padronizar mais o design do sistema, O Marshmelow consolidar essas mudanças. E o Nougat agora incorporando em seu núcleo várias soluções que antes eram comuns em soluções de terceiros. E se aproximando muito ao iOS, da Apple. Da mesma forma, por sinal, a Apple vem se aproximando do Android em recursos. O mercado da tecnologia sempre tem dessas. Mesmo que neguem.

Mesmo padronizando o sistema e o design dele – mesmo que os fabricantes mudassem a seu bel-prazer, as diferenças eram pouco comparadas com o Android puro – o grande problema das atualizações persistia. Você comprava um aparelho e ele recebi poucas atualizações de segurança e updates do sistema. Levando a um problema de fragmentação. E, com ele, a falta de compatibilidade dos aplicativos.

Agora, entretanto, parece que teremos uma solução definitiva e que evitará a morte prematura de vários modelos que poderiam continuar funcionando muito bem com a versão atual do sistema. O Google anunciou o Project Tremble. O projeto nada mais é do que separar o Android em 2 partes. A principal delas é a que interessa: o Google passará a ter controle maior sobre o núcleo do sistema. E os fabricantes, sobre o design dele e outros detalhes do sistema que caracteriza cada marca.

O Google finalmente tomou uma atitude pra resolver de vez esse problema. E que vai melhorar bastante a experiência do usuário final com o sistema do Google. Ele é um sistema muito bom, comparável ao padrão estabelecido pela Microsoft no mercado dos notebooks e computadores de mesa. Um sistema que pode ser seguro e personalizável é o que mais agrada os usuários.

 

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta