Música pop no Brasil é algo quase esquisito em meio a tanta dupla sertaneja e funkeiros.

Não, não tenho nada contra música sertaneja ou funk. Tenho bastante consciência de que eles são a representação de um momento cultural e regional do Brasil que realmente reflete os gostos populares. Também não tenho nada contra quem curta esses gêneros musicais. O problema é que não há diversidade.A música pop brasileira vive de passado.

Eu falo sobre isso por que me incomoda demais abrir o Deezer ou o Google Music e ver que o que mais toca e vende no Brasil são duplas sertanejas ou funks que falam sobre festa e balada, sexo e insinuações sexuais e outros temas desavergonhados. Me pergunto se é só isso que os mais jovens escutam hoje.

Quase nada de música pop está sendo produzida no Brasil ou sendo vendida por aqui. Na verdade, o que toca de música pop brasileira são músicas já gravadas e do passado, poucos são os artistas que estão produzindo música pop. A maior parte das gravadoras prefere deixar esse gênero relegado aos estrangeiros.

Muito da crise da indústria fonográfica – ou o que elas dizem estar passando – é causada por elas mesmas ao cobrarem preços absurdamente altos para a produção e venda de discos. Quem compraria um álbum custando quase 50 reais? Por anos, inclusive, foi discutido no congresso alguma lei para baixar o preço dos discos.

Mas a internet fez o trabalho dela e os serviços de streaming de música passaram a dominar o mercado e a forçar uma queda no preço de mídias físicas. Mas isso ao invés de representar algum ganho na diversidade musical, significou a dominância de apenas alguns gêneros que são indefinidamente copiados.

A música pop que se faz no Brasil vive de passado.

Vemos na internet surgirem milhares de duplas sertanejas ou funkeiros surgindo rápido em álbuns quase sempre ao vivo cuja estrutura de produção é bem mais simples do que um estúdio e horas de mixagem. Mas é muito triste ver que a música brasileira não está criando nada novo. Apenas reproduzindo o que vende.

Música Pop

Jesse y Joy, cantores pop latinos. Reprodução da internet.

E nisso eu vejo que o pop latino em espanhol está sendo infinitamente melhor. E até o Google sabe do meu gosto por música pop e já me oferece essas músicas. E uma delas que não sai da minha cabeça desde quando ouvi pela primeira vez: Helpless, da dupla mexicana-americana Jesse y Joy.

Jesse y Joy são como Sandy e Júnior. São irmãos que continuam a fazer música pop a despeito da idade. Eles já tem mais de 30 anos. E ainda produzem música de qualidade sem terem a imagem de serem cantores adolescentes. Eles, por sinal, já começaram a cantar depois dos 20 anos, em 2005.

A música pop no Brasil se tornou algo excepcional. Igual ao rock. vivendo do passado dos anos 80. Desde então pouco se produz, se cria nesse ramo. Deveríamos, sinceramente, ter maior diversidade na música. Nós sairíamos ganhando e as próprias gravadoras também.

Veja aqui a música que eu mencionei. 

 

E você, o que tem ouvido recentemente? Sente falta de maior diversidade musical? Comente!

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta