Se tem uma palavra que define rede social, essa palavra é Urgência.

Eu gosto muito de redes sociais. Aliás, é por causa delas que eu tenho feito esse site, por que é por elas que eu consigo e tenho conseguido bom retorno. Mas incomoda bastante uma característica delas: a urgência. Nem tudo na vida a gente pode fazer ou pensar com urgência. Mas sempre me pergunto por que essa necessidade desesperada de ser urgente, especialmente em alguns momentos como o que vivemos ontem.

Sim, a política atualmente tem sido um tema bem forte dentro do Brasil, sobretudo por causa do momento pós-impeachment. A urgência em postar qualquer comentário as vezes atropela o nosso pensamento e não conseguimos ter uma análise mais profunda ou entender todos os sinais de uma situação ou de um momento mais específico. Até por que não estamos em um momento de calmaria. Estamos todos com os ânimos alterados. Cada um a seu modo ou ideologia.

O fato é que a urgência das redes sociais não tem deixado a gente pensar mais profundamente. Nos acostumamos com as nossas bolhas sociais. E as vezes elas acabam se confirmando no mundo real. Até por que, em muitos casos, a bolha social das redes é apenas um reflexo da sua vida fora da internet. Seus amigos, seus gostos, tudo está na internet. Mas também está fora dela. E isso nem sempre nos deixa ver fora de fora dela.

É o caso do que aconteceu nesse mês de outubro. Muitos sites que eu li,  amigos que eu consultei, outros colegas também não pensavam muito fora do que seria o óbvio. Esse momento que estamos vivendo hoje não é o melhor para avaliar as coisas sem considerar muita coisa que está fora do nosso pensamento. Não podemos ser simplistas e nem dualistas.

Urgência em postar nas redes sociais Foto: João Silas/StockSnap

Urgência em postar nas redes sociais
Foto: João Silas/StockSnap

A urgência também acaba fazendo com que sejamos descuidados com as palavras

Por causa da nossa pressa em falar o que estamos pensando, acabamos não achando as palavras certas. E as vezes, elas soam bem diferente em quem as ouve ou as escuta. Nossas intenções podem ser uma coisa, mas a forma como as expressamos pode soar bem diferente. E isso causa problemas bem sérios, isso quando não causa um problema legal.

Eu mesmo já tenho procurado me controlar em não ter tanta urgência. Isso acaba atropelando muito as coisas e criando situações que, as vezes, são bem desnecessárias. Acreditem, já passei por isso. Muitas e inúmeras vezes. Não precisamos de tanta urgência. E ela pode ser controlada e usada em momentos certos. Aliás, é isso que a palavra significa. Algo que não pode esperar, é prioritário.

Por essas e por outras, eu ainda não quis fazer nenhuma análise sobre as últimas eleições sem considerar várias situações e variáveis. Tenho lido, refletido sobre o tema, procurando links com os eventos ocorridos entre abril e agosto. Não é tão simples quanto parece. E achar respostas pra isso em pouco tempo por causa da urgência também não é. Meu trabalho nesse blog é dar o caminho para que você chegue a sua conclusão.

E isso eu não vou alcançar com urgência. E eventualmente apenas usarei dela quando ela se fizer necessário. Até lá, pretendo manter postagens mais centradas em temas que possam trazer crescimento pessoal pra você e profissionais pra mim. Nem tudo tem a ver com urgência. Nem mesmo aquela vontade de compartilhar uma selfie no instagram ou no facebook.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta