Decreto de Trump, carregado de preconceito, atinge em cheio as empresas de tecnologia. E elas reagem.

Donald Trump, o atual presidente americano, mal foi empossado e já lançou uma série de decretos. Um desses decretos  atinge pessoas de sete países. É apenas a amostra de como o preconceito agora está sentado na presidência de um dos países mais importantes do mundo.

preconceito

Presidência americana atual reforça preconceitos

Ao fazer um decreto baseado em preconceito, Trump diz que esta tudo ok discriminar pessoas pela sua origem ou crença religiosa. E nessa onda ainda, outro decreto dele deve liberar mais preconceito, dessa vez contra a comunidade LGBT. 

Por causa de todas essas medidas regadas no preconceito, as empresas de tecnologia estão mandando recados para o atual presidente americano. Elas são as empresas que mais empregam estrangeiros e que mais lutam contra os preconceitos. Por raça, religião e orientação sexual. 

É triste vermos como Trump, agora presidente americano, está fazendo o completo oposto de tudo aquilo que deveríamos ter aprendido ao longo do século XX. A guerra fria, as disputas sobre quem seria a maior potência mundial, quem detinha a maior influência. E tudo isso vinha sendo defendido pelo ocidente.

O ocidente, em contra-partida ao que defendia a URSS, sempre defendeu as liberdades. Ou pelo menos pareceu defender todas as nossas liberdades individuais como parte basilar que sustenta o próprio mundo ocidental. E isso inclui as nossas liberdades de religião, crença, orientação sexual. E é isso que estamos vendo desmoronar.

Trump apenas está sendo ele mesmo comandando um país como as empresas dele.

Trump, como presidente, não é diferente do que era quando ele apresentava O Aprendiz. Aliás, acredito que ele esteja levando a presidência do mesmo jeito que ele fazia no comando das empresas dele. E isso é o caminho para o desastre. Não se troca políticos por pessoas que não são políticas para governar um país.

A receita do desastre já está posta. Trump é o começo do retrocesso de uma era. Mas é bom saber que as gigantes da tecnologia estão se propondo a desobedecer uma ordem federal para, além de demonstrar suas ideologias, provar que a diversidade é a melhor coisa e o que faz sermos o que somos.

Ainda precisaremos mais algum tempo para sabermos a que veio o século XXI. Será ele uma repetição da história ou será ele uma amostra de um futuro bem melhor que o nosso atual presente? É inacreditável que o mundo precise passar por esses momentos para entender que o preconceito não gera nada de bom.

Não fez isso no passado, nem no presente e nem fará no futuro. Espero que chegue logo o momento de superar o preconceito.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta