Resultado positivo é o que empresas e pessoas querem de seus trabalhos

Resultado positivo

Com um mês no ar para toda a internet, o resultado tem sido positivo. Mas ainda é insuficiente.

Ainda é um começo e tudo no começo depende basicamente de nós mesmos e do nosso empenho. Como já disse, já tive outros blogs no passado. E já tive, sim, boa audiência. Mas, no passado, mesmo enxergando a internet como o futuro, eu sei que precisaria de muito mais tempo para obter sucesso. E mesmo numa era em que poucos tem o que escrever, preferem fazer vídeos do que escrever. Colocar em palavras o que, de fato, sentimos ainda é um desafio enorme.

Mas ainda sim me orgulho desse trabalho que tenho feito aqui. Os dados que eu tenho obtido nesse blog são animadores. Em 2009, quando eu tinha um blog sobre televisão, eu demorei bastante tempo para atingir 40 mil page-views. Nesses 1 mês, eu consegui 45 mil page-views. E sem ainda apresentar nenhum conteúdo que eu me propus a fazer por ainda estar sem condições financeiras pra isso.

E desses 45 mil visitantes, pelo menos 40% deles são de visitas recorrentes. Visitas de pessoas que seguem regularmente o blog mesmo sem eu ter oferecido ainda ferramentas que me permita ter maior controle sobre isso – por exemplo, criação de usuários, fóruns de discussão e outras ferramentas de interação. Aliás, a única que tem aqui é a do Facebook. Mas não foi por acaso: o Facebook é a rede que eu acabo utilizando muito mais que as demais.

Mas uma coisa me alegra de saber quando eu vejo as estatísticas do site: o tempo que as pessoas dispendem aqui lendo o que eu escrevo está na média de 8 minutos. Isso dá uma baixíssima taxa de rejeição. O que é ótimo para me motivar. Saber que pessoas permanecem 8 minutos lendo o que eu escrevo é algo verdadeiramente positivo.

E mesmo sendo positivo, ainda é insuficiente.

Me explico: apesar de ter 45 mil page-views, 60 mil hits e um bom tempo dedicado a leitura, são dados insuficientes ainda pra gerar retorno financeiro. E nesse sentido eu nem falo de Adsenses ou Adwords. Por sinal, eu não posso monetizar o meu próprio site usando o Adsense no Google. Quando eu fiz meu primeiro blog independente, entre 2009 e 2010, eu usei os códigos do Google Adsense enquanto construía o site. Para testar, acabei usando pra valer sem me bloquear de contar nessas visitas. O Google detectou que era abuso e não me permitiu mais usar o Adsense.

Nesses 1 mês, eu consegui 45 mil page-views. E sem ainda apresentar nenhum conteúdo que eu me propus a fazer por ainda estar sem condições financeiras pra isso.

O Google não é o único que tem Adsense. Mas é o mais usado na internet. Com esses dados eu poderia atrair tráfego constante. Mas o Google não me desbloqueia e então eu preciso correr atrás de outros modelos de monetização. Mas, pra isso, eu preciso de sua ajuda. E, não, eu não vou usar crowdfunding por enquanto. É cedo demais pra isso. Antes disso eu preciso de audiência.

Ainda to procurando as alternativas para Adsenses. Mas acredito que ainda é cedo para encher o site com esses códigos. Até por que eu precisaria modificar o design para acomodar esses códigos. O que, nesse momento, ainda não é interessante. E demandaria muito mais tempo de minha parte. Estou focado em produzir conteúdo. E deixar esse conteúdo disponível. E, depois disso, sim, inserir publicidade.

Estou focado completamente em fazer desse espaço um sucesso na internet. E pra isso pretendo oferecer conteúdos relevantes, sejam escritos ou de vídeo. Mas, pra isso, preciso continuar motivado. E só vou conseguir isso se você continuar a ler esse site, se compartilhar os links, se mantiver ele funcionando. Daí a necessidade de continuar a manter essa audiência.

É empreendedorismo? De certa forma, sim. Ao menos, extra-oficialmente. Mas, logo, legalmente e oficialmente.

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta