A Tupi – primeiro como TV, depois como Rede – foi a primeira emissora de televisão na América Latina. E um marco até hoje.

A Televisão Tupi foi uma emissora de televisão e o ápice do crescimento exponencial dos Diários Associados. O grupo iniciou-se no começo dos anos 1920 quando Assis Chateubriand comprou seu primeiro jornal. E, desse primeiro embrião, vieram os demais: as rádios que formaram uma rede nacional entre as décadas de 1930 e 1950, influenciando muita coisa na própria cultura brasileira naquele momento.

A época de ouro do Rádio também não poderia terminar sem ter um substituto à altura. A Televisão comercial iniciou suas operações regulares em 1940 nos Estados Unidos, quando as primeiras televisões tiveram as primeiras licenças para esse fim. No Brasil, essa experiência teve inicio ao menos 8 anos depois. Em 1948, Chateaubriand iniciou todo o processo de instalação de uma emissora de televisão no Brasil. E aí foi quando a escolha do modelo de negócios marcou o que hoje conhecemos.

Sem dinheiro, Chateubriand reuniu anunciantes e cobrou-lhes um ano de publicidade adiantada no novo veículo. Com esse recurso, os Diários Associados compraram os equipamentos necessários para a instalação de uma emissora: a antena transmissora, os transmissores e câmeras. Estúdios e outras coisas foram criados na sede dos Diários Associados até então.

Mas, percebendo que não adiantaria fazer televisão sem ter receptores, Chateaubriand importou também um lote de aparelhos de TV que foram vendidos em lojas próprias dos Diários Associados (sim, eles não faziam só jornais) bem como distribuídas em pontos importantes da cidade de São Paulo para que a população soubesse o que era Televisão.

Tupi

A televisão analógica acabou. O fim de uma era.

O Modelo escolhido pela Tupi ainda prevalece até hoje e assim será por muito mais tempo.

As escolhas de Chateaubriand definiram o modelo que hoje a gente segue. A TV aberta no Brasil é um modelo que se sustenta baseado na publicidade e na audiência. Esse modelo garante que o acesso seja gratuito ao espectador por que garante que o anunciante atingirá seu objetivo ao anunciar nesses canais. Esse modelo é a base de toda a operação comercial que envolve meios de comunicação há anos. Com exceção da TV paga.

A TV paga iniciou nos Estados Unidos como uma forma de pegar os sinais de televisão que eram difíceis de chegar em algumas regiões. Antenas eram instaladas em pontos altos e os cabos eram distribuídos pela vizinhança e normalmente havia uma cobrança pra isso. Esse modelo se iniciou no começo dos anos 50. Mas nas décadas de 1970 se transformou em um modelo de assinaturas onde você pagava para ter acessos a conteúdos diferenciados e a sua assinatura sustentava o sistema.

No Brasil, esse modelo chegou há quase 30 anos atrás quando os primeiros canais pagos surgiram. E as primeiras operadoras também. A maior delas naquele momento era a NET. Sim, a mesma que todos conhecemos começou lá. E, por força da lei, as operadoras começaram a carregar os canais abertos gratuitamente. Não por comodidade. Apenas por que os sinais de televisão eram difíceis de serem captados em algumas regiões.

A TV aberta foi inclusa obrigatoriamente na TV paga apenas por problemas de sinal. Hoje, isso acabou.

Desde 2011 essa obrigação tem caído em desuso conforme a televisão analógica vai sendo encerrada por aqui. No Brasil, optou-se por um calendário escalonado e progressivo para evitar repetir aqui a experiência que aconteceu em 2009 nos Estados Unidos quando o sinal analógico foi desligado lá ao mesmo tempo para todo o país.

A história atual tem mostrado como as coisas que as emissoras abertas querem hoje é algo absurdo. Elas influenciaram uma lei para proteger o mercado delas e forçar um retorno a esse espectro. Uma vez que todos os entraves de sintonia e qualidade de imagem foram definitivamente eliminados, não há por que não voltar a assistir TV aberta usando uma TV digital ou um conversor digital.

No final, a TV aberta sai ganhando muito mais quando se mantém em seu próprio mercado e público. Eles são completamente diferentes do público usual de TV paga. QUando Chateaubriand escolheu o modelo de televisão aberta que seguimos, ele pensava apenas na maior ideia que sustenta esse meio: A própria imagem e produção própria que cative a audiência e a sustente.

A Tupi foi desses canais. A Globo também tem sido assim, O SBT costumava ser assim, Basta apenas saberem tirar melhor proveito dessa qualidade. Público fiel é uma qualidade que nem todos tem. Mas que muitos queriam ter.

 

 

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta