governo

As coisas não mudaram tanto. Não foram o inferno planejado. Mas não foi o paraíso prometido.

Hoje completa um ano que Dilma saiu do governo e o que mudou nesse tempo todo foi quase nada.

Nessa sexta completa-se um ano que a ex-presidente Dilma Rousseff foi afastada do governo pelo processo de Impeachment. E a ascensão de Michel Temer a condição de presidente interino. Isso foi um momento que eu jamais pensaria em testemunhar. Mas lembro-me de ter ficado a madrugada inteira assistindo aquilo na TV. E de acompanhar os detalhes. Foi um dia longuíssimo. Mas de resultado previsível.

E hoje completa-se um ano que o comando do país mudou. Mas, em linhas gerais, pessoalmente falando, não percebo nenhuma diferença substancial. Na verdade, pouca coisa mudou. A mais evidente mudança foi apenas no direcionamento do governo e alguma pacificação que ele acabou impondo ao congresso nacional. Mas, fora isso, as coisas acabaram rearranjando. Não foi o desastre que alguns senadores previram. Mas tampouco foi a maravilha que o grupo pró-impeachment prometeu.

Percebo que, ao menos por enquanto, aquele problema todo da instabilidade aos poucos começa a ceder. A economia está longe de ser a prometida pelos atuais governantes mas também não foi o pior dos estados nesse período. Não sei se as coisas melhoraram mas também não podemos dizer que elas pioraram. No final, apenas um pouco da estabilidade anterior a 2014 vem sendo alcançada.

Não acredito que as reformas propostas pelo atual governo – ao menos do jeito draconiano que elas parecem ser – são a solução para que a economia reaja como se espera. Mas também é preciso que se entenda que alguns ajustes precisam ser feitos. Talvez não sejam discutidos no atual governo, mas isso vai ser um fator determinante para o próximo pleito eleitoral

Um ano após uma grande mudança no Brasil não vejo que as coisas tenham se tornado no desastre anunciado. Mas também não vejo nenhuma maravilha. Apenas percebo que a crise começa a ceder um pouco e as coisas caminhando para um período de estabilidade. Talvez só a partir de 2019 que nós veremos alguma coisa de fato melhorar. Até lá, ao menos, esperamos que o caminho não seja tão ruim. Ou tão cheio de instabilidade.

 

Comente com Facebook

Written by Israel Anderson

Jornalista por formação, cineasta por estudos e curioso por natureza. Internet por paixão.

Deixe uma resposta